sábado, 4 de maio de 2019

celebrando






uma música para o fim de semana - Júlio Resende


Cinderella Cyborg é um nome algo estranho para um álbum de um pianista jazz.
Parece algo distópico: a junção, a fusão de uma figura Disney, querida a muitos de nós, com algo que invoca, metal, frieza, automatismos e ausência de sentimentos.

Mas é precisamente isso que Júlio Resende procura e consegue encontrar, com a vantagem de acrescida de retirar essa carga de ausência de sentimentos e torná-la mais orgânica, mais próxima de nós.
Para o lado Cyborg da música, o músico português recorre à electrónica e à incorporação de beats e pads, o lado Cinderella é garantido pelo seu piano, contrabaixo e guitarra eléctrica dos membros da sua banda.

O resultado é espetacular. Não é um disco de jazz, não é música electrónica. É uma fusão super bem conseguida destes dois géneros, que não estão distantes. Pelas mãos de Júlio Resende estão bem próximos, ali ao virar da esquina.
Explorar este mundo meio maquinado, meio humanizado, é um prazer e um encanto. Sinceramente.
Pouco mais de seis anos depois, Júlio Resende regressa à Esteira. Já tardava...


Bom fim de semana ☺