sábado, 7 de julho de 2018

uma música para o fim de semana - Isabel Rato


Para Além da Curva da Estrada é um poema maravilhoso de Alberto Caeiro, o meu heterónimo preferido de Fernando Pessoa.
Versa sobre a simplicidade do que se vê antes de uma curva da estrada e de como não se deve ser algo de preocupação, de especulação sobre o que está para além dela, sobre aquilo que não se vê, sobre aquilo que talvez nem pode lá estar.

É também o nome do primeiro álbum da pianista portuguesa Isabel Rato.


Lua Lua é um tema simples e sereno. Não nos leva a voar, a ver coisas lá do alto, acima de picos de montanhas, mais alto que tempestades, a ver-nos coisas que ainda não por lá não passámos.
Ele leva-nos pela mão, pela estrada fora. Vemos as folhas caídas no chão, os ramos das árvores pelas quais passamos, o som dos passos a ecoar na estrada percorrida, os pardais que esvoaçam à nossa volta. Sem preocupações, sem antecipações ou coisas complicadas de prever.

Como a vida devia ser, como devíamos ser capazes de a levar. Mesmo quando nos é pedido para o não fazer, mesmo quando falhamos a tentar fazê-lo.


Bom fim de semana ☺






quinta-feira, 5 de julho de 2018

uma ida ao baú das memórias - Don't Leave Me This Way (Harold Melvin & Blue Notes)


Em 1986, os britânicos The Communards, liderados por Jimmy Sommervile, mostrariam ao mundo o fulgor de Don't Leave Me This Way.
Mas tal como os Village People que foram esquecidos quando os Petshop Boys fizeram o cover Go West, que pela dimensão do sucesso obtido fizeram esquecer o grupo original, também os The Communards em 1986 pulverizaram os verdadeiros autores de Don't Leave This Way: Harold Melvin & the Blue Notes.

Estava-se em 1975 e a Sida ceifava as primeiras vitimas nos Estados Unidos da América.
A década de setenta não só ficaria marcada pelo surgimento da Sida mas também musicalmente pelo aparecimento do disco.
Uma das várias águas musicais por onde os Harold Melvin e Blue Notes gostavam de navegar. Isso talvez explique como uma canção que aborda o profundo desespero da perda de quem se ama, seja cantada de uma forma tão expansiva, exuberante e dançante.

A voz do tema Don't Leave Me This Way, do álbum Wake Up Everybody de 1975, pertence a Teddy Pendergrass, um convidado do grupo.





Don't leave me this way

I can't survive, I can't stay alive
Without your love, no baby
Don't leave me this way
I can't exist, I will surely miss your tender kiss

So don't leave me this way
Oh, baby, my heart is full of love and desire for you

So come on down and do what you've got to do

You started this fire down in my soul

Now can't you see it's burning out of control

So come on down and satisfy the need in me

'Cause only your good loving can set me free
Don't leave me this way

I don't understand how I'm at your command

So baby please, so don't you leave me this way
Oh, baby, my heart is full of love and desire for you

So come on down and do what you've got to do

You started this fire down in my soul


Now can't you see it's burning out of control

So come on down and satisfy the need in me

'Cause only your good loving can set me free
(Come satisfy me, come satisfy me
Come satisfy me, come satisfy me

Come satisfy me, come satisfy me)
Don't you leave me this way Don't leave me this way,
Ooh, baby, I can't exist, I will surely miss your tender kiss

So don't leave me this way
Oh baby, my heart is full of love and desire for you

So come on down and do what you've got to do

You started this fire down in my soul

Now can't you see it's burning out of control

So come on down and satisfy the need in me

'Cause only your good loving can set me free
(Set me free, set me free, set me free, set me free, set me free
Set me free, set me free, oh baby)
Don't you know by now, don't you know by now
Don't you know by now, don't you know by now
I'm losing control, I'm losing control