quinta-feira, 10 de março de 2016

GoGo Penguin - Man Made Object


Man Made Object do trio GoGo Penguin foi uma compra do fim de semana passado
O seu nome é completamente diferente e o seu jazz refrescante tão refrescante como o nome que adoptaram.
É um trio de putos pouco acima dos vinte anos. Têm um jazz, simples, minimal, mas ao mesmo tempo é sofisticado e texturado.

O trio de piano sendo acústico, é facilmente reconhecível a presença de sonoridades electrónicas replicadas no modo acústico.
Influências de música clássica, trip hop, hip hop, house e techno estão mais presentes que o clássico jazz, sem no entanto o anular. Longe disso.
Ao contrário do que se possa pensar, e apesar dos diversos e muito diferentes géneros musicais presentes, a música deste trio é bem coerente e as suas raízes jazzísticas são bem identificáveis.

É uma autêntica aventura e descoberta ouvir Man Made Object e à medida que se ouve mais vezes este álbum, há sempre mais qualquer coisa de diferente.
Estranha-se, mas depois entranha-se... muito! Torna-se viciante ouvi-lo.

All Res é o tema que abre o terceiro álbum dos britânicos Gogo Penguin.
É um excelente exemplo do que representa Man Made Object. Tal como escrevi no primeiro parágrafo, trata-se de música elegante, sofisticada e minimal.
Tal como o vídeo que ilustra o tema.







quarta-feira, 9 de março de 2016

preservar tradições, dizem os Tauromáquicos...


Se as tradições envolvendo, dor, sofrimento, crueldade e tortura, fossem mantidas, os algozes tauromáquicos e respectivos capangas, estão defendendo práticas que já foram abolidas, ou que estamos a tentar abolir em prol da evolução do ser humano.
Como por exemplo o apedrejamento de mulheres ou a excisão genital feminina.

Dirão que a comparação entre pessoas e animais não pode ser feita. Pode.
Falamos de vidas. Humanas e não humanas.
Somos todos seres vivos, somos sencientes. sabemos, e os animais sabem o que é bom e o que é mau,
Todos têm medo de algo que agride, magoa profundamente, que faz doer.
A comparação é completamente justa.






terça-feira, 8 de março de 2016

dia internacional da Mulher


Enquanto houver o dia internacional da mulher, a mulher nunca será mulher, nunca será livre.
Este dia impede-as de ser iguais aos homens.
A igualdade, a atribuição de "cotas", não tem que ser pedida ou concedida. Tem que ser conquistada, reivindicada. Por elas.

A mulher tem que se “despir” do seu corpo. mesmo que o tenha.
Não tem que abdicar ser feminina ou tornar-se um ser assexuado ou unissexo, mas não pode usar apenas este atributo.
Por isso a Marisa Matias, candidata às eleições presidenciais deste ano, foi considerada bonitinha, com uma cara laroca e muito jeitosinha.
Li e ouvi esta caracterização por homens e por mulheres em várias alturas e nos meios de comunicação, tudo isto é fortemente ampliado. O que não ajuda nada.
Acredito que os votos que conquistou tenham sido mais pelos seus atributos físicos que pela experiência política, do que pelas suas convicções, que aliás foram bem fracas.
Até que ponto a escolha de Marisa Matias, não terá sido feita pelas razões erradas?
Ana Drago é por exemplo uma mulher que soube despir o seu corpo e ser reconhecida com uma mulher competente, experiente, defensora de ideais.

E a sua beleza não passa despercebida.

A 19 de Novembro, comemora-se o dia internacional do homem. É uma data que quase é desconhecida e que definitivamente não é valorizada.
Quando este dia começar a ser falado, escrito, detalhado, o homem desvaloriza-se socialmente.


Definitivamente a mulher não precisa deste dia. Muito pelo contrário.