sábado, 10 de junho de 2017

uma música para o fim de semana - Jorge Palma


Gosto de a Terra dos Sonhos de Jorge Palma.
Não acredito em sonhos ou numa terra ou país onde eles possam nascer, ter origem.
Ou melhor, até acredito. O que acredito firmemente é que eles não são destinados para todos. Que os caminhos nos levam até à sua terra, ao seu país, às cegonhas que fazem nascer os sonhos nas cabeças das pessoas, estão vedados para alguns.

Mas isso não implica que não goste de quem os canta.
E Jorge Palma fá-lo na perfeição, mostrando quanto imperfeitamente os sonhos são, quando chega a altura de os concretizar. Um lapso, um esquecimento, algo que não depende de nós, que nos ultrapassa, que não depende de nós e o sonho desfaz-se. Torna-se pó, torna-se um pesadelo.


Bom fim de semana ☺




Na terra dos sonhos 

Andava eu sem ter onde cair vivo
Fui procurar abrigo nas frases estudadas do senhor Doutor
Ai de mim não era nada daquilo que eu queria
Ninguém se compreendia e eu vi que a coisa ia de mal a pior

Na terra dos sonhos, podes ser quem tu és, ninguém te leva a mal
Na terra dos sonhos toda a gente trata a gente toda por igual
Na terra dos sonhos não há pó nas entre linhas, ninguém se pode enganar
E abre bem os olhos, escuta bem o coração se é que queres ir para lá morar

Andava eu sozinho a tremer de frio
Fui procurar calor e ternura nos braços de uma mulher
Ai! Mas esqueci-me de dar-lhe também um pouco de atenção
E a minha solidão voltou, não me largou a mão um minuto sequer

Na terra dos sonhos, podes ser quem tu és, ninguém te leva a mal
Na terra dos sonhos toda a gente trata a gente toda por igual
Na terra dos sonhos não há pó nas entre linhas, ninguém se pode enganar
E abre bem os olhos, escuta bem o coração se é que queres ir para lá morar

Se queres ver o mundo inteiro á tua altura
Tens de olhar p'ra fora sem esquecer que dentro é que é o teu lugar
E se ás duas por três vires que perdeste o balanço
Não penses em descanso, está ao teu alcance tens de o encontrar

Na terra dos sonhos, podes ser quem tu és, ninguém te leva a mal
Na terra dos sonhos toda a gente trata a gente toda por igual
Na terra dos sonhos não há pó nas entre linhas, ninguém se pode enganar
E abre bem os olhos, escuta bem o coração se é que queres ir para lá morar



terça-feira, 6 de junho de 2017

série "vencedores" - Alex Honnold



À excepção de quem gosta, pratica ou praticou escalada em rocha, terá escapado a muita gente o incrível feito físico e acima de tudo a nível mental o que o escalador norte-americano de 31 anos de idade Alex Honnold conseguiu no passado dia 3 de Junho deste ano.

Sem ajuda de cordas, arnês, ou equipamento de segurança, apenas confiando na sua técnica, nas suas mãos e pés para o manter preso à rocha e evitar uma queda mortal, Alex escalou os novecentos e catorze metros de parede vertical do El Capitan no Parque Nacional Yosemite, Estados Unidos. Este tipo de escalada, é designada por "free solo".

Para um escalador "normal", usando equipamento de escalada, significa que ele vai passar umas noites, semanas, literalmente pendurado, na parede.
Alex Honnold fê-lo em menos de quatro horas!

A fotografia mostra o momento em que o americano termina a escalada.




De todos os vencedores que já passaram nesta série, a par com os atletas paraolímpicos, Alex Honnold é o que mais admiro. O que para mim se aproxima mais de um super-homem.

É uma pessoa que segue uma dieta vegetariana, personalidade simples e low profile, poucos sabiam dos seus planos do free solo no El Cap, gosta de estar longe da ribalta e vive numa van adaptada ao seu estilo de vida.
É alguém preocupado com o seu planeta, que o defende e o respeita de uma forma efectiva.
Escalar free solo, há vinte anos que a pratica, é uma vivência intensa da sua vida física e uma aproximação à vida espiritual.

Não afasta o medo da morte eminente que lhe causa esta forma de escalar. Aceita que está presente, integrou esse medo nessa mesma forma. Quando escala, afirma que só há rocha à sua volta. É analítico, a mantém calma, o sangue frio, o controlo da situação na forma como aborda os problemas que surgem numa parede de rocha.

Incrível o que ele conseguiu fazer.

Uma vénia de profunda admiração para ti.


segunda-feira, 5 de junho de 2017

dia mundial do Ambiente






17




Alma Minha Gentil, que te Partiste


Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida descontente,
Repousa lá no Céu eternamente,
E viva eu cá na terra sempre triste.

Se lá no assento Etéreo, onde subiste,
Memória desta vida se consente,
Não te esqueças daquele amor ardente,
Que já nos olhos meus tão puro viste.

E se vires que pode merecer-te
Algũa cousa a dor que me ficou
Da mágoa, sem remédio, de perder-te,

Roga a Deus, que teus anos encurtou,
Que tão cedo de cá me leve a ver-te,
Quão cedo de meus olhos te levou.


Luís de Camões, Sonetos