quarta-feira, 10 de agosto de 2016

poema da desesperança



poema da desesperança

vem, cerrar a luz dos meus dedos
escutar o inferno lesto a correr
com ele crescem os meus medos
pisando a esperança do querer

ter as árvores despidas de cor
apenas deixar cinzentos a florir
pairar no ar o inferno da dor
de frágeis pensamentos a ruir

vejo a tua sombra que me beija
atando-me às palavras que cismo
essa raiva que insiste e não deixa
esvaziar a alma cheia de abismo

silêncio surdo de asas gritadas
feridas rasgadas a descoberto
de querer e vontades apeadas
dentro de mim só há deserto

extenso, nele encontrar a porta
uma nesga que possa entrar
por onde alma minha jaz morta
permita as suas asas pousar


inkheart



1 comentário:

  1. Belo...como só o Inkheart sabe ser..."Apaixonada" desde o primeiro poema que li!
    Thanks :)

    ResponderEliminar